"A SEÇÃO REGIONAL DA IPA EM SÃO PAULO NÃO AUTORIZA A UTILIZAÇÃO DE SEU NOME, ABREVIATURA, EMBLEMAS E LOGOTIPO, BEM COMO REQUISITAR OU DOAR, E SOMENTE SERÁ REPRESENTADA POR SEUS DIRETORES E/OU POR PESSOAS EXPRESSAMENTE AUTORIZADAS PELA PRESIDÊNCIA " .
IPA-Consultora Special do Conselho Econômico e Social da ONU, do Conselho Europeu, da OEA e da UNESCO e Mantendo cooperação com a EUROPOL
 
Artigo

INTERPRETAÇÃO DOUTRINÁRIA
                                                      CRIMES POLÍTICOS E CRIMES FEDERAIS
                                                                                             Carlos Alberto Marchi de Queiroz

O Correio Popular , de 29/3, A14, noticiou, após os tiros desfechados contra a caravana de Lula, afirmação do ministro extraordinário da Segurança Pública, Raul Jungmann, que revelou que "a Polícia Federal não irá investigar o caso dos tiros porque o crime não foi federal (sic) e cabe às autoridades estaduais atuar".


O Jornal Nacional, da Rede Globo de Televisão, no mesmo dia, após entrevistar o secretário de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro, general de brigada Richard Nunes, noticiou, equivocadamente, que aquela alta autoridade encontrara indícios de crime político na morte da vereadora Marielle Franco.


Durante um bom tempo, após a morte do prefeito de Campinas Antonio da Costa Santos, o Toninho do PT, escreveu-se, à saciedade, que o alcaide havia sido vítima de crime político, quando vítima de um crime comum, cujos suspeitos, após o oferecimento da denúncia foram exculpados. Sua esposa, inclusive, durante muito tempo, tentou, sem sucesso, obter a federalização das investigações baseada na tese de que seu marido havia sido vítima de um crime político.


É de grande interesse, teórico e prático, informar ao leitor que existe uma separação doutrinária entre crimes comuns e crimes políticos, distinção muito antiga que tem se mantido através da passagem da História. Doutrinadores encontraram muitas dificuldades em chegar a um conceito uniforme do crime político.


O elemento predominante no seu conceito é sempre o motivo político, envolvendo planos de reforma política ou de revolução. Nesse particular, os doutrinadores entendem que os crimes políticos podem ser de duas espécies. O primeiro é o crime político puro, de caráter exclusivamente político. São crimes de opinião. Por sua vez, crimes políticos relativos são condutas que ofendem, ao mesmo tempo, uma situação política e um bem jurídico tutelado pelo Direito Penal comum. É crime de opinião com desfecho sangrento.


A importância do conceito de crime político puro transcende o Direito Penal comum e interno dos países democráticos a tal ponto que a maioria dos tratados e pactos internacionais não admite a extradição de criminosos políticos. Enfim, o crime político é um crime de opinião, jamais um crime de sangue, consumado ou tentado.


A título de ilustração, foram criminosos políticos no Brasil do século 20 o atual senador José Serra, o jornalista Fernando Gabeira, Betinho, o irmão do Henfil, e o ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso, que permaneceram exilados no Exterior até a concessão da anistia pelo então presidente João Baptista de Oliveira Figueiredo.


Ao afirmar que os tiros disparados contra um dos três ônibus da caravana, no Paraná,"não serão investigados pela Polícia Federal porque o crime não foi federal", o ministro confunde os brasileiros em geral, não acostumado ao juridiquês e a tecnicismos. No Brasil, ao contrário dos Estados Unidos, não existem crimes federais, estaduais e municipais no ordenamento jurídico. Por mais bizarro que possa parecer ao amável leitor, todos os crimes brasileiros são federais!!! Desde 1930, os Estados e o Distrito Federal são proibidos de legislar em matéria penal, competência exclusiva da União, nos termos do artigo 22, inciso I, da Constituição Federal. Antes de 1930, todas as unidades federativas podiam ter seus próprios códigos. Na época o País chamava-se Estados Unidos do Brasil !!! Uma cópia da Constituição dos EUA de 1878, até hoje em vigor, foi feita por Rui Barbosa.


A assertiva de Jungmann, ex-parlamentar federal, que deveria entender mais de processo legislativo regular, e que pode gerar dúvidas na mente dos brasileiros, provoca-nos o desejo de esclarecer ao paciente leitor que existe uma divisão de trabalho entre a justiça comum federal e as justiças comuns estaduais.


A justiça comum federal julga crimes praticados em detrimento de bens, serviços ou interesses da União, ou de suas autarquias ou empresas públicas. Desse contexto são excluídas as contravenções penais, sempre julgadas pela justiça estadual, ainda que haja interesse da União, como prevê o artigo 109, inciso IV, da Constituição Federal e da Súmula 381 do STF.


É por isso que a Polícia Federal, e não a Polícia Civil de Campinas, está investigando o roubo de 5 milhões de dólares acontecido dentro do Aeroporto Internacional de Viracopos em passado recente. Caso seus autores sejam descobertos, serão denunciados por procurador da República junto a uma das varas federais de Campinas, competentes para o julgamento do surpreendente e cinematográfico assalto. O incidente com Lula terá igual desfecho processual. Trocando em miúdos, Jungmann quis dizer que esse caso não é atribuição da Polícia Federal e, muito menos, da competência da Justiça Federal para julgamento.

 

Carlos Alberto Marchi de Queiroz é professor de Direito e membro da Academia Campinense de Letras.
Fonte: Correio Popular, A2, de Campinas - 09/04/2018
Carlos Alberto Marchi de Queiroz é delegado de polícia
 
 
 
 

APRENDIZ DE PRESIDENTE

ESTEREÓTIPO PADRÃO DE BANDIDO
   
   

Resolução SS-159 de 15/12/2005 : "Dispõe sobre o Gerenciamento de Pessoas Não Identificadas Civilmente nas Unidades de Saúde participantes, conveniadas e não conveniadas do SUS - Sistema Único de Saúde"

IPA Houses foram criadas em vários países para o benefício dos membros e suas famílias.
Para informações completas e detalhes de contato, visite nosso site IPA House ou contacte a sua Seção Nacional.

Site:http://ipa-iac.org/houses

Gimborn Castle, na Alemanha, é a bandeira da  Associação Internacional de Polícia.É o IPA's International Conference Centre em seminários, conferências e reuniões. "Gimborn Castel" é um lugar muito conhecido, onde os policiais de todas as categorias se encontram, para trocar experiências e aprender, um centro de estudos da IPA
Offial site:http://ipa-iac.org/en

Veja o video oque é a I.P.A.
International Police Association


IPA - WORLD POLICE PRIZE
Veja mais >>

"SERVO PER AMIKECO" - "A SERVIÇO DO BEM, GUARDIÃES DA PAZ"

(Letra e Música do Hino da IPA em espanhol)
http://www.youtube.com/watch?v=GYNS-4CL9w4&feature=youtu.be

Dicas de Segurança, matérias extraidas do site da Polícia Civil do Estado de São Paulo.
Veja mais >>
Ouça um pouco a bela canção: O Bom Pastor
 
Com este título, o Professor Carlos Alberto Marchi de Queiroz trouxe a lume uma obra de grande valor, contendo uma visão histórica da instituição policial civil, desde a sua criação até os dias atuais, com reflexos na Polícia Judiciária Brasileira. Veja mais >>
Obra de autoria do Dr. José Guilherme Raymundo, Delegado de Polícia aposentado, sócio da IPA, ex-Inspetor da Guarda Civil do Estado de São Paulo, ex-Inspetor Chefe de Agrupamento da Guarda Civil Metropolitana de São Paulo e ex-Comandante da Guarda Civil de Guarulhos.

No livro o autor presta uma justa homenagem às Guardas Civis Municipais do Brasil, corporações que a cada dia conquistam a admiração e o respeito do povo brasileiro.